Prefeito de Santa Inês Ribamar Alves pode ser transferido

Compartilhe esse artigo! Facebook +Google Twitter Pinterest




A prisão do prefeito de Santa Inês, José de Ribamar Costa Alves (PSB), está tomando novos rumos. Ele estar preso desde o dia 29/01 acusado do estupro de uma jovem de 18 anos. Os advogado vem tentando sem sucesso, o relaxamento da prisão do prefeito, porem, um novo pedido de habeas corpus foi feito nessa sexta-feira (12) e as circunstâncias de momento deram novas opções à defesa do prefeito. 

Luiz Freitas Sabóia, novo advogado de defesa de Ribamar Alves, afirmou que tem elementos suficientes para conseguir a transferência do cliente. Segundo ele, a partir do momento em que o desembargador Froz Sobrinho – primeiro a analisar judicialmente o caso – transformou a prisão em flagrante em prisão preventiva, a defesa do prefeito só poderia entrar com recurso junto ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ). E foi a primeira atitude dele quando assumiu o caso.

habeas corpus

A defesa de Ribamar Alves em Brasília entrou com novo pedido de habeas corpus junto ao STJ, no plantão, pedindo a transferência do seu cliente da Penitenciária de Pedrinhas para o Quartel da Polícia Militar em Santa Inês. “Nesta situação, existem duas possíveis respostas: a permanência do cliente onde ele está ou a transferência para Santa Inês”.

Sem antecedentes

De acordo com o advogado, o caso com a jovem de 18 anos não pode servir de agravante em relação ao episódio envolvendo a juíza Larrissa Tupinambá, que teria sofrido assédio sexual por parte de Ribamar Alves no dia 19 de dezembro de 2013, quando o mesmo tentou beijar a magistrada. “Uma coisa não pode ser ligada a outra, porque, naquele caso, ele não foi julgado por crime sexual”.

O advogado Luiz Sabóia acredita que o ocorrido pode ter sido orquestrado com o intuito de atingir o prefeito. “É uma armação. Pegaram o Ribamar no ponto fraco dele. É um defeito do Ribamar, gostar de mulher”.



Leia também:

Na web, segurança acusado de estupro por jovem diz que sempre foi inocente

Polícia Civil decidiu não indiciar Wellington Monteiro; caso segue para o Ministério Público do DF


Wellington Monteiro, o segurança acusado de estupro por uma jovem durante uma festa de réveillon em Brasília, postou uma mensagem nas redes sociais, neste sábado (13/2), um dia depois que a Polícia Civil decidiu não indiciá-lo. Segurando um cartaz com a #SempreFuiInocente, Monteiro diz que "espera que o caso sirva de exemplo para que outras falsas acusações não destruam vidas." 



Compartilhe esse artigo! Facebook +Google Twitter Pinterest

Nenhum comentário: