Vanessa Alcântara faz jejum na prisão e sofre assédio de outras detentas

Compartilhe esse artigo! Facebook +Google Twitter Pinterest


Modelo está em cela separada na cadeia feminina de Paulínia (SP)


O feriado prolongado de Tiradentes não foi fácil para Vanessa Alcântara. A modelo fez jejum por três dias na cadeia feminina de Paulínia, no interior de São Paulo, para protestar contra sua prisão, que ela considera injusta. "Ela é determinada e ficou apenas bebendo água por um propósito", conta o porta-voz de Vanessa, completando que o jejum já acabou e ela passa bem.

Para completar o calvário da modelo, Vanessa tem sofrido assédio de outras detentas. Não à toa, ela está agora em uma cela isolada. Quando chegou à cadeia feminina, a modelo dividiu cela com quatro detentas.

"Algumas mulheres deram em cima dela e a Vanessa não retribuiu. Aí, por causa disso, começou a receber algumas ameaças. Dizem que ela é muito bonita e se incomodam com isso", diz o assessor. "Mas ela está bem e esperançosa com sua liberdade".

Musa do Carnaval paulistano, Vanessa é ex-namorada do fiscal Luís Alexandre Magalhães, suspeito de participar de um esquema de corrupção que pode ter causado até R$ 500 milhões de prejuízo aos cofres públicos da Prefeitura de São Paulo. Em 2013, ela denunciou o ex-namorado, dizendo que ele recebia propina.





Entenda o caso

Vanessa Alcântara foi presa no dia 7 de abril, após uma confusão na Delegacia de Defesa da Mulher de Valinhos (SP). A versão da modelo é de que ela teria ido ao local pedir uma cópia de um Boletim de Ocorrência sobre um problema ocorrido com vizinhos. Vanessa precisaria do documento para entregar ao seu advogado.

Ao chegar lá, teria pedido para tirar uma foto dos papéis, mas a escrivã de plantão não teria deixado porque, para conseguir o documento, Vanessa precisaria abrir um requerimento. Indignada, a modelo teria pego seu celular e dito que faria um vídeo com a justificativa da escrivã porque, para ela, o motivo alegado não era correto.




Confrontada, a escrivã teria se irritado e "partido" para cima de Vanessa para pegar o celular. "A defesa da modelo entende que a prisão foi arbitrária, ilegal e injusta. As acusações não são baseadas em provas, são subjetivas", informa a assessoria de Vanessa. "Ela está tranquila e se diz vítima de acusações".

Outro lado

A Polícia Civil informa que Vanessa foi presa por ter agredido a escrivã. Ao saber que teria que fazer uma solicitação para ter acesso ao BO que queria, a modelo teria se descontrolado, arrancado os papeis das mãos da escrivã e, em seguida, rasgado os papeis. Logo em seguida, teria disparado ofensas à policial e causado ferimentos em um de seus braços.






A titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Valinhos também teria sido ofendida ao intervir no caso, que precisou da ajuda de três soldados da Guarda Municipal. De acordo com a polícia, eles teria sido atingidos por um capacete jogado por Vanessa. A modelo teria gritado que é famosa e ajudou a desmantelar um esquema de corrupção na Prefeitura de São Paulo.

Vanessa foi autuada pelos crimes de agressão, desacato, resistência, injúria, calúnia, supressão de documentos, lesão corporal e porte de entorpecentes, uma vez que foi encontrada maconha em sua bolsa. A defesa da modelo informa que os 12 miligramas de maconha em questão são de uma amiga dela.









Fotos: Reprodução / Internet

Fonte: Ego



Compartilhe esse artigo! Facebook +Google Twitter Pinterest

Nenhum comentário: